segunda-feira , 22 outubro 2018
Você está aqui: Capa » Artigos » Qual a razão para você se emocionar ao assistir The Voice Kids?
Qual a razão para você se emocionar ao assistir The Voice Kids?

Qual a razão para você se emocionar ao assistir The Voice Kids?

Por Allan Alves

Os dias de domingos neste início de 2018 estão sendo de explodir o “Fofurômetro” com as crianças sendo crianças no The Voice Kids.

Não tem como não se emocionar!

O ‘The Voice Kids’ está apresentando a fórmula certa para lágrimas na frente da TV e no palco, revelando diversos talentos mirins.

Os técnicos estão tendo um cuidado todo especial quando as cadeiras não viram para os candidatos e o André Marques também está procurando ter uma palavra de conforto para cada um deles e por vezes até se emociona.

Vivendo um sonho de criança!

É extremamente difícil falar de futuro num momento em que vivemos crises sem precedentes, guerras por todo o mundo e escândalos de corrupção. Podemos ter motivos para ficarmos frustrados com os acontecimentos no mundo, mas não pode ser motivo para sermos pessimistas e não vislumbrar um mundo melhor quando temos, uma nova geração de crianças vindo pra fazer muitas mudanças positivas.

Não podemos simplesmente esperar que essas crianças cresçam para começarmos a acreditar, temos que mudar nossa postura imediatamente e viver junto com as crianças os seus sonhos, exatamente o que acontece quando você se emociona assistindo o The Voice Kids.

Os pais se realizam com as conquistas dos seus filhos, mesmo que você ainda não seja pai ou mãe, certamente, você lembrará momentos em que seus pais vibraram com as suas conquistas e sentiram muito orgulho de você. Quando somos jovens temos muitos projetos que a vida e o mundo cuidam de dissuadir ou até mesmo nos perdemos nos afazeres do cotidiano e deixamos alguns sonhos pelo caminho.

Certamente alguns pais que acompanham os filhos na jornada do The Voice Kids, cuidam, acompanham e levam o projeto do seu filho ou sua filha, visando compensar todos os sonhos perdidos pelo caminho, que de certa forma é uma continuidade dos seus projetos que não foram concretizados. Logicamente isto não é uma regra e não pode ser aplicado a todos os participantes do programa, nem mesmo aos leitores deste artigo.

Vamos voltar a falar sobre as emoções e os “fofurômetros” que explodem em todos nós em forma de lágrimas?

Dentro de nós existem vários “eus”  que conversam entre si,  e influenciam os nossos atos. Na maioria das vezes eles estão em desacordo, brigam e entram em conflito e por isso ficamos confusos.

Podemos começar a conhecer os nossos “eus” prestando atenção nas diversas vozes conflitantes que conversam dentro de nossa cabeça, o que podemos chamar de self 1 e self 2. O Self 1 é o falador, o que julga, o que crítica como as coisas deveriam ser, sempre espera a perfeição, impede de estar livre para aprender. Consciência pronta para julgar a nós mesmos. Já o self 2, não tem medo de errar, cai e levanta, entende que o erro faz parte do processo de aprendizado.

Qual a importância de conhecer nossos vários “eus”?

Quando conhecemos, sabemos de onde nascem as nossas escolhas, e podemos decidir com consciência. O que podemos chamar de livre arbítrio, que nos permite buscar o que, de fato, nos propicia maior crescimento e realização, de forma a tornar a vida mais prazerosa e rica em aprendizagens.

Podemos dizer que estes “Eus”: o Eu Superior, o Eu Inferior , e o Eu Máscara, formam o nosso núcleo da personalidade.

O EU SUPERIOR é o nosso “eu” mais profundo e verdadeiro; a essência de nosso ser. Ele possui a vibração mais sutil. É a semente divina que habita o nosso corpo. Contém todas as possibilidades e potenciais. É a fonte da nossa sabedoria, amor e poder. É dele que provem: a nossa intuição; todas as boas intenções; e o anseio de evolução. É este EU que faz você se emocionar ao assistir o The Voice Kids, principalmente, quando as crianças foram crianças e interpretaram a música Superfantástico, da Turma do Balão Mágico:  ♪♩Super fantástico amigo que bom estar contigo no nosso balão! Vamos voar novamente cantar alegremente mais uma canção. Tantas crianças já sabem que todas elas cabem no nosso balão. Até quem tem mais idade, mas tem felicidade no seu coração ♪♩.

Imagine este núcleo da personalidade, onde o seu “eu superior” está cercado de camadas de vibrações mais densas e escuras, resultantes da compreensão distorcida das experiências da vida. Podemos chamar de EU INFERIOR. Fazem parte deste núcleo as nossas áreas mais primitivas, nossos defeitos, nossas preguiças e defesas. Nele há contido sentimentos negativos como ansiedade, angústia, tristeza, desespero, ódio, raiva, insegurança, abandono, irritação e mágoa. Daí parte as más intenções e ações destrutivas e este “eu inferior” impede que você acesse a luz vibrante do seu “eu superior”, que o alimenta e dá sentido à sua vida.

É fato que todos nós possuímos, em alguma medida, os sentimentos do “eu inferior”, reconhecer e validar estes sentimentos é um grande passo para reconduzi-lo ao seu “eu superior”. Neste momento você reconheceu estes sentimentos, descritos no parágrafo anterior e, para validar, basta responder a seguinte questão: quais destes sentimentos eu nutro? Isto é validar! Reconheceu e validou? Trabalhe de forma a transformá-lo ou a transformá-los em ações que reforcem e alimente o seu “eu superior”.

E onde encobrimos estes sentimentos tão obscuros do “eu inferior”? Através do “EU MÁSCARA”!

Todos nós temos um estilo de máscara, que está diretamente ligada a nossa personalidade e é valorizado ao grupo qual pertencemos.

A Máscara engessa, inibe a nossa espontaneidade, os relacionamentos ficam moldados e sem intimidade. Porque quando usamos “o eu máscara”, estamos esperando atender ao que esperam de nós, afastando-nos do nosso “eu superior”, que é a nossa fonte de energia, realização, e que dá sentido a nossas vidas.

Qual a razão para você se emocionar ao assistir The Voice Kids?

Aos domingos, quando você fica em frente à telinha, você tem uma vida mais livre e espontânea. Neste momento você desapega da máscara, ultrapassa o seu “eu inferior” e cria formas mais pessoais e espontâneas e acessa o seu “eu superior”.

♪♩ Tudo que eu quiser o cara lá de cima vai me dar, me dar toda coragem que puder, que não me falte forças pra lutar. Vamos com você, nós somos invencíveis, pode crer, todos somos um e juntos não existe mal nenhum. Vamos com você, nós somos invencíveis, pode crer, o sonho está no ar, o amor me faz cantar♪♩.

Acessou o seu “eu superior”?

Pense nisso e sucesso sempre!

Allan Rodrigues Alves é Diretor Presidente da RHSG Gestão de Pessoas e Soluções, Head Trainer, Treinador Comportamental, Coach, Consultor, Palestrante e Facilitador. Coautor dos livros: O PODER DO COACHING pela Editora IBC, TREINAMENTOS COMPORTAMENTAIS,  CONSULTORIA EMPRESARIAL, A ARTE DA GUERRA – DESPERTE O “SUN TZU” QUE ESTÁ DENTRO DE VOCÊ, todos pela Editora Ser Mais. Especialista em Recursos Humanos, atua no Desenvolvimento Humano, Treinamentos Corporativos, Liderança e Consultoria em RH.allan@rhsg.com.br | www.rhsg.com.br

 

 

Sobre Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top